31 dezembro, 2011

Feliz Ano Novo... 2012

Feliz Ano... 2012
Que este novo ano que se aproxima não seja tão mau, tão sofredor, tão angustiante e tão pobre como tanto receamos.
Que este pesadelo, que estamos a viver e que tanto tem mudado as nossas vidas, passe rápido. Bem rápido!
Que o Sorriso nos bata à porta com a Justiça, a Verdade, a Saúde, o Amor, o Carinho, o Sucesso, a Gentileza e a Qualidade de Vida embrulhados numa caixinha colorida e cheia de Força.
Que tudo se equilibre para que possamos ter uma Vida Plena e Feliz.
Que sejamos, simplesmente, Felizes! Cada um do seu jeito, mas Felizes!

Umas óptimas entradas para todos e um Ano 2012 Maravilhoso!

RN

28 dezembro, 2011

A Viagem


Aparelhei o barco da ilusão
E reforcei a fé de marinheiro.
Era longe o meu sonho, e traiçoeiro
O mar...
(Só nos é concedida
Esta vida
Que temos;
E é nela que é preciso
Procurar
O velho paraíso
Que perdemos).
Prestes, larguei a vela
E disse adeus ao cais, à paz tolhida.
Desmedida,
A revolta imensidão
Transforma dia a dia a embarcação
Numa errante e alada sepultura...
Mas corto as ondas sem desanimar.
Em qualquer aventura,
O que importa é partir, não é chegar.

Miguel Torga

No silêncio aprendo.

A mudança faz parte da Vida, do indivíduo, da sociedade... do Ser-Se!
Ser-Se é muito mais do que se pensa, do que se quer, do que se tenta. Ser-Se é tão simples e tão complicado que tantas são as vezes que dou por mim a pensar 'Afinal quem Sou eu?', 'Para que Sou eu?'.
por Shagagraf
Questões estas tão simples, diretas e em simultâneo tão vagas e tão complexas. Aprendi que na Vida tudo acontece por uma razão, cuja razão nem sempre tem explicação.
'Como, quando, onde e porquê' são as palavrinhas-chave para se escrever uma boa notícia. Infelizmente, tantas são as situações em que simulo querer escrever uma notícia e algo me escapa: a resposta a uma (ou a mais que uma) destas palavrinhas mágicas falha. 
Momentos, pessoas, situações... alheios ou não a mim, à minha Vida... Tudo e nada, tanto e tão pouco!
Olho, analiso, observo, retenho, falo, oiço, silencio-me... 
Aprendi a gostar do silêncio!
Aprendi a falar em silêncio!
Aprendi a aprender em silêncio! 
No silêncio te oiço, te falo, vejo o mundo, e aprendo. 

E Mudei! E Mudo! 
Para melhor ou para pior? Para ti, pesa a tua opinião. Para mim, apenas vivo o que sinto.

RN
Que o vosso Natal tenha sido tão bom como o meu: Família reunida, comida, bebida, doces e presentes suficientes para todos. Que o Amor, a Harmonia, a Felicidade, a Saúde e o Sorriso tenham reinado nestes dias e que nos acompanhem por muitos mais dias (senão todos) das nossas Vidas.

RN

17 dezembro, 2011

Krokodil Drug. Escolhas lamentáveis.

«Quando pensas que já viste de tudo no mundo e que o nível de imbecilidade do ser humano chegou ao nível máximo, eis que és novamente surpreendido. Krokodil é a mais nova e devastadora droga que está em plena expansão, principalmente na Rússia.


A Krokodil ou “Crocodilo” é uma versão de rua da desomorfina, um opiáceo 3 vezes mais potente e 10 vezes mais barato que a heroína. A droga recebeu este nome porque a pele dos usuários viciados desenvolve uma textura gangrenosa que se assemelha à pele de um crocodilo.
A Krokodil é feita com substâncias extremamente tóxicas e apodrece, literalmente, carne e ossos dos seus utilizadores, deixando-os com uma aparência nem um pouco agradável.

As imagens que vais ver são extremamente fortes portanto avança à tua responsabilidade. »
http://ainanas.com/must-see/krokodil-a-droga-que-esta-a-devastar-a-russia/#more-15917


Krokodil Drug (Rusia's Disaster)- A drug that eats junkies


«Mais vale perder um minuto na vida que a vida num minuto», com isto quero mostrar o quanto me entristece ver as escolhas perigosas que o ser humano insiste em fazer: troca uma tristeza sentida, um momento menos bom ou até um sorriso verdadeiro, por momentos relaxantes 'forçados', sorrisos abananados, conversas descabidas, porque simplesmente 'está a aproveitar o momento' (sob o efeito de algo que apenas o prejudica). É lamentável!
Acredito que qualquer um que esteja, hoje, a viver para a droga (literalmente) tenha começado pelo 'sorriso forçado' e que sempre se tenha afirmado com cabeça (forte e consciente) para saber escolher... Afinal, todos temos cabeça não é verdade?

RN

16 dezembro, 2011

Aquele Abraço.

Aquele abraço. A mesma intensidade.
Como quando éramos crianças: tão traquinas, ingénuos e tão puros.
Muitas foram as palavras, as porradinhas, os gritos, os puxões de cabelo, as conversas, os beijos, as tardes passadas a ver filmes ou a andar de bicicleta. Muita aventura é a nossa história, mas muitos são os actos de Amor e Amizade partilhados.
Saudade é o que sinto.
Saudade dos momentos, mas acima de tudo Saudade de Ti!
E Saudade daquele Abraço coberto de brilho pelas mil palavras silenciosas (só) por nós compreendidas.

RN

14 dezembro, 2011




 
 
 
«Sou bem mais feliz que triste, mas às vezes fico distante. E me perco em mim...» [Fernanda Mello]

e outras tantas vezes apenas fico ausente de mim... [RN]

11 dezembro, 2011

Love is Blindness

The Edge's Solo Performance 

Love Is Blindness - U2

Love is blindness, I don't want to see
Won't you wrap the night around me?
Oh, my heart, love is blindness.

In a parked car, in a crowded street
You see your love made complete.
Thread is ripping, the knot is slipping
Love is blindness.

Love is clockworks and cold steel
Fingers too numb to feel.
Squeeze the handle, blow out the candle
Love is blindness.

Love is blindness, I don't want to see
Won't you wrap the night around me?
Oh, my love,
Blindness.

A little death without mourning
No call and no warning
Baby, a dangerous idea
That almost makes sense.

Love is drowning in a deep well
All the secrets, and no one to tell.
Take the money, honey...
Blindness.

Love is blindness, I don't want to see
Won't you wrap the night around me?
Oh, my love,
Blindness.

03 dezembro, 2011

Bem-vindo Dezembro!

Bem-vindo Dezembro!
O último mês do ano chegou.
Euforia, consumismo, solidariedade, alegria, tristeza, nostalgia... Tantas palavrinhas soltas diferenciam este mês dos demais. E tudo porque é Natal!
Porque é Natal vamos ajudar!
Porque é Natal vamos oferecer!
Porque é Natal vamos pensar em quem nada tem!
Porque é Natal vamos. Simplesmente porque é Natal.
Corrói-me por dentro ver tamanho consumismo, ver esta cultura a seguir cada vez mais o caminho do fácil, do efémero e do material. Alegra-me ver a força que as campanhas de solidariedade têm nesta altura do ano, obtendo óptimos resultados. Mas fervo por dentro quando penso que um ano tem doze meses e apenas no último a 'verdadeira' vontade de ser solidário chega a nossas casas. Entristece-me por demais ouvir conversas de café sobre a fome no mundo, a fome na cidade ou a fome do vizinho. Meu coração envereda pelo silêncio, calando minha boca ao mundo. A fome existe o ano inteiro, sejamos realistas.
Olhemos para o lado. Olhemos para a frente. E analisemos também o que, ou quem, ficou para trás. Deixemos de olhar apenas para nós próprios, para o nosso umbigo, para o espelho que temos em casa, ou para o reflexo que vemos quando passamos numa loja. Se olharmos bem, iremos ver que o nosso vizinho, o nosso colega, amigo ou conhecido precisa de ajuda. Talvez tenha fome. Ou talvez tenha uma dor enorme no peito porque os filhos têm fome. Ou simplesmente tem uma dor de falta de Amor, Carinho, Amizade... de um abraço.
E talvez seja Fevereiro ou Março.

Feliz Natal!

RN

Boyce Avenue - We Found Love


Yellow diamonds in the light
And we're standing side by side
As your shadow crosses mine
What it takes to come alive

It's the way I'm feeling I just can't deny
But I've gotta let it go

We found love in a hopeless place
We found love in a hopeless place
We found love in a hopeless place
We found love in a hopeless place
Shine a light through an open door
Love and life I will divide
Turn away cause I need you more
Feel the heartbeat in my mind

It's the way I'm feeling I just can't deny
But I've gotta let it go

We found love in a hopeless place
We found love in a hopeless place
We found love in a hopeless place
We found love in a hopeless place

26 novembro, 2011

Impenetrável.



A calma invade-me a alma num secretismo delicado. Num silêncio profundo, oiço meus pensamentos a sussurrar. Sem qualquer esforço. 
Num escuro tão claro e cheio de paz, a calma abraça-me... Sinto-me tão leve, ao ponto de nada sentir. Toco-me e não me sinto. Procuro movimentos em vão. Impenetrável, intocável, demasiadamente indesejável para neste mundo me sentir. Levito.
Que momento tão intensamente relaxante. 

RN

23 novembro, 2011

Mil e um...

por Shagagraf
         
Quantas são as vezes. Quantos são os momentos. Quantas são as lágrimas, tristezas, angústias, confissões. Entre pensamentos sós, introspetivos, egoístas, altruístas. Mil e uma razões para o grito, a dor, o desespero. Mil e uma razões para neste quarto, meu e só meu, ficar, penetrar e refletir. Perceber quem sou, quem quero ser e quem me é. Mil e um poderia ser um número ao acaso, mas não... contei e vi que de tudo posso falar através deste número tão certo e assertivo. A vida é assim, talvez tenhamos de viver mil e uma vezes para o perceber ou duvidar.
Num mundo tão cheio e ruidoso, existe um quarto calmo, onde tão só me compenetro, viajo e vivo. Somente eu.
Existe um riso, um sorriso... ou mil e um, talvez mais. Partilho-os. Entrego-os. Ofereço-os ao mundo mais belo e próximo deste meu doce quarto. 
                                                              
                                                                 RN 
         

      

19 novembro, 2011

Amar além da Vida


«Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado: pensava que, somando as compreensões, eu amava. Não sabia que, somando as incompreensões é que se ama verdadeiramente. Porque eu, só por ter tido carinho, pensei que amar seria fácil.»

Clarice Lispector

'Mais Gentileza, Por Favor!'

por Fernanda Mello

Este vídeo fez-me pensar o quanto tudo isto é verdade. O quanto andamos sempre e tão ocupados com a nossa vida, com os nossos problemas, stresses e a constante falta de qualquer coisa, que nos tornamos tão individualistas, tão sós e tão incompletos.
Cada vez mais crescemos num Mundo, em que a generosidade, o respeito, a educação, a compreensão e a atenção deixam de pertencer ao conceito de 'ser-se Humano'. Vejo a crescer, de dia para dia, uma bola de neve que rebola, gira e destrói, sem meio de cessar.
Todos precisamos de uma palavra doce, de um abraço sentido, de um sorriso sincero ou de um silêncio tão profundo que nos enche a alma.
Pergunto-me o porquê de tanta competitividade, tanta ganância, tanta formalidade com 'você isto', 'o senhor aquilo', se no fundo somos todos fruto da mesma espécie, com problemas e vontades semelhantes. Respeito! Vamos apelar ao Respeito, à Gentiliza e à Sensibilidade!
Tudo aquilo que precisamos é exactamente o mesmo que o Outro precisa. Onde está a boa educação? O coração verdadeiro? Um simples 'Olá', 'como estás?', 'obrigada' não custa dinheiro, não paga imposto e fica tão bem... Sabe tão bem...
Valorizo muito o equilíbrio das coisas, da Vida. Admiro uma pessoa inteligente, mas uma pessoa gentil, bem educada tem muito a oferecer e a ensinar neste Mundo ruidoso.
'Gíria das nossas avós' ou não, temos de procurar não esquecer os bons modos, as palavras gentis, os olhares compreensivos, a simplicidade de Ser, os abraços sinceros e entregar o melhor de nós, desabrochando (pura e gentilmente) um sorriso no Outro.

RN

«Gentileza gera gentileza!»
[Profeta Gentileza]

«É mais fácil obter o que se deseja com um sorriso do que à ponta da espada.»
[William Shakespeare]


12 novembro, 2011

«O meu mundo não é como o dos outros, quero demais, exijo demais; há em mim uma sede de infinito, uma angústia constante que eu nem mesma compreendo, pois estou longe de ser uma pessoa; sou antes uma exaltada, com uma alma intensa, violenta, atormentada, uma alma que não se sente bem onde está, que tem saudade… sei lá de quê!»

Florbela Espanca

Triste vazio

«A desilusão não se reflete pela tua falta de hoje. Resulta do tudo e do nada que tens feito. Mas a tristeza é maior! A tristeza que sinto é tão grande que mata toda a alegria que a vida me dá.
Amo-te demais! E morro ao ver que te estou a perder por entre os dedos. Nunca te esqueças de quem és e de onde és. Foste o mais desejado deste mundo. E és o mais amado ontem e hoje!»


Esta foi a resposta mais sincera e profunda que consegui dar a um pedido de desculpas (constantes) de alguém que tanto é para mim e que se está a perder num mundo corrupto, fraco e ordinário.
Mata-me olhar-te nos olhos e vê-los a pedir-me ajuda sem que tu te apercebas. O medo e o pavor enchem-nos de dor.
Que olhar lindo tinhas, cheio de vida, amor, alegria, rebeldia, saúde, energia... Hoje vejo um olhar baço, triste, sem motivação e sem vida. Porquê? Que raio andas tu a fazer? Sem qualquer tipo de autorização, sugestão ou conselho. Bem sei a verdade! Parte da culpa não é tua. Sei quem é o responsável por este roubo de identidade, de verdade, de vida. Pouco posso fazer, mas sei que em muito se vai tornar. Vai resultar e vais voltar. Eu vou ter-te de volta com o sorriso e a força que me contagiavam, que me faziam feliz.
A dose de dor, tristeza e mágoa que me consome é enorme. Mas esta overdose não me vai fazer desistir. Choro e grito para que a raiva que sinto me dê força para te fazer lutar e acreditar.


Um dia vou ter o teu sorriso de volta!


RN

21 outubro, 2011

Palavras não falam


«Eu me entendo escrevendo,
Eu vejo tudo sem vaidade,
Só tem eu e esse branco [...]
Por mais que eu tente, são só Palavras!
  Por mais que eu me mate, são só Palavras!»

17 setembro, 2011

«Feel the fear and do it anyway.»
[Susan Jeffers]

Pensamento do dia

A verdadeira liberdade é um acto puramente interior, como a verdadeira solidão: devemos aprender a sentir-nos livres até num cárcere, e a estar sozinhos até no meio da multidão.

[Massimo Bontempelli]

Nas profundezas...

Procuro-te!
Procuro-te em cada onda! Toda a onda que nasce, cresce e morre de uma forma estrondosamente mágica. 
Mergulho, abrindo os olhos na esperança de te ver nas profundezas mais puras da vida. Mas não te encontro.
Subo e, num ápice, sou enrolada, levada por uma corrente tão forte, que me abraça, acarinha e me consola.
É a minha onda! Aquela que sempre me procurou. Levou-me, e nunca mais voltei.
Escrevo, hoje, numa cristalina pedra, que no fundo deste meu mar encontrei.

RN

15 setembro, 2011

The Greatest


Once I wanted to be the greatest
No wind or waterfall could stall me
And then came the rush of the flood
Stars of night turned deep to dust

Melt me down
Into big black armor
Leave no trace of grace
Just in your honor
Lower me down
To culprit south
Make 'em wash a space in town
For the lead
And the dregs of my bed
I've been sleepin'
Lower me down
Pin me in
Secure the grounds
For the later parade

Once I wanted to be the greatest
Two fists of solid rock
With brains that could explain
Any feeling

Lower me down
Pin me in
Secure the grounds
For the lead
And the dregs of my bed
I've been sleepin'
For the later parade

Once I wanted to be the greatest
No wind or waterfall could stall me
And then came the rush of the flood
Stars of night turned deep to dust

Cat Power

07 setembro, 2011

«O meu momento»

Arrepiada. Gélida por fora, cálida por dentro.
Que momento frio e relaxante. Denomino-o de «O meu momento». Se o pudesse pintar, retrataria uma praia vazia com a areia húmida e fria. O céu seria de um tom alaranjado, deixando-se penetrar por um rosa vivo apaixonante. No lado oposto, já mais escuro, a lua iluminaria todo este cenário com uma luz tão pura e brilhante, que o mar pareceria estar coberto de cristais.
As lágrimas por fim escorrem, uma a uma, como se existisse ordem de saída. Precisava deste momento. Eu, só. Apenas eu.
Sinto-me tudo aquilo que nunca fui. Procuro-me e não me encontro.
Tantos sentimentos e revoltas me transformaram. Sem rumo, o egoísmo invoca esta praia só para mim, onde apenas o mar entrelaçado no seu imenso horizonte me entende com um simples tocar.
Tira-me esta fragilidade! Tira-me tudo o que tenho e leva-me contigo!
Mas fiquei. E o tudo comigo ficou.

RN

Megulhada numa farsa

Só escrevo quando me dá vontade de o fazer (odeio obrigações!). Daí tanto tempo ausente.
Ausente do blog, ausente da caneta, ausente da vida. Mergulhada num sonho que estava embrulhado num pesadelo.
Devíamos conduzir a nossa vida de acordo com as nossas vontades. Mas vontades sinceras, vindas do coração.

Uma só vida! Uma só vida que deve ser vivida ao máximo com um sorriso nos lábios e outro no peito. Tantos são os limites, tantos são os obstáculos que temos pela frente, que a vontade de sorrir acaba por se esvaecer. Pergunto-me, de entre tantos sorrisos com que me cruzo num só dia, quantos serão verdadeiramente sinceros? Quantos demonstrarão a pureza de um sorriso feliz?
«Sorri que faz bem à alma e ao coração», lá diz a velha expressão. E faz! Mas apenas por breves momentos (que se podem tornar deliciosos, é verdade).
Numa vida comandada por otários e ladrões, o máximo que se consegue é sorrir, mostrando os dentes. Engana-se amigos, inimigos e a quem nada nos diz. Viver assim é uma farsa. Finge-se sorrir, finge-se viver.
Sorrir por sorrir não é Sorrir. 

RN

16 maio, 2011

Aquele lugar (meu)

A chuva cai. As ondas do mar batem em mim com uma força incrível. Peço ao mar que me abrace e me leve para aquele lugar. O tal lugar que um dia a mim pertenceu e que abandonei sem pensar.
Regressei a um mundo cruel, confuso em que o perdão é tão raro e a mesquinhice tão frequente.
Sofro em silêncio e finjo que não te vejo nem escuto a meu lado. Quero perder-me nas horas, nos rios e nos caminhos desertos. Levem-me de novo ao 'meu' lugar.

RN

Olha-me nos olhos...

Olha nos meus olhos e diz-me a verdade. Não mintas!
Diz-me tudo, tudo! Revela teus sentimentos e vontades.
Diz que para ti não sou nada. Que de uma boneca não passei.
Hoje ris para mim com vontade de rir de mim. Ri mais! Ri até à exaustão!
Sê feliz desse teu jeito cruel.

RN

07 maio, 2011

«Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso ser nada. À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.

[Fernando Pessoa]

22 abril, 2011

Live - Laugh - Love

A vida é assim...

«A vida é assim...
Fotografo momentos,
imagino situações,
recrio instantes,
desenho sonhos,
alucino desejos.
A vida é assim...
Vive-se para a gente
morre-se pelos outros
chora-se pela eternidade,
encanta-se pelo ocorrido.
A vida é assim...
Uma linha continua,
cheia de interrupções.
Altos no coração,
baixos na solidão,
é um vai e vem de incertezas.
De certezas também.
A vida é assim...
Alguns amores são fáceis
outros são frágeis
ao ponto de partir o coração,
mas mesmo com erros
e inúmeros acertos
A vida é assim...»

[Fouquet, 2010]

07 abril, 2011

Love Language



«Don't find love
let love find you
that's way it's called falling in love
because you don't force yourself to fall
you just fall»

[A.D.]

16 março, 2011

Ainda hoje...

Só de pensar todo o meu corpo treme.
Só de querer volto a tremer.
Quando sinto, tremo mais ainda.
Não consigo libertar-me desta dor que insiste em me assombrar.
Quero esquecer, mas não consigo.
Quero seguir, mas não tenho forças.
Quero deixar de querer, mas torna-se impossível.
Ainda hoje te vejo no meu reflexo.
Ainda hoje te cheiro.
Ainda hoje te toco.
Ainda hoje te quero e desejo.
Ainda hoje abalas minha alma.

RN

Há dias...

Há dias em que tudo me parece cinzento. Em que simples gestos, sorrisos me soam a uma nota tão alta de falsidade que me devasta a alma. Tratar-se-á de um jogo de interesses ou de puro cinismo?
Talvez seja uma mera impressão... ou não.
Há dias em que vejo tanto e nada em simultâneo. Este paradoxo rompe qualquer elo de ligação entre mim e este mundo atroz.
Há dias em que sinto tanta falta (tua). Falta de um passado vivido e que hoje parece sonhado. Sem qualquer marca física, não tenho forma de provar ao mundo que foi real. Mas que importância tem isso, se só eu sei o tamanho e a intensidade das marcas que (ainda) permanecem neste coração devastado.
Meu peito age como um vulcão cheio de lava ardente que aguarda uma razão para explodir, gritar e acalmar. A destruição consequente pode ser fatal, mas que inevitavelmente causará mudanças. Mudanças em mim e no mundo que me rodeia.
Talvez me ofereça um sorriso novo, mais brilhante e verdadeiro.

Há dias que não parecem dias.

RN

Pensamentos mudos

Apetece-me falar! Apetece-me gritar!
Quero expressar meus pensamentos. Mas não posso. Não devo.
É neste sentido que os «loucos» prevalecem aos ditos «normais». A eles qualquer palavra, qualquer pensamento sonorizado é aceite e justificado.
Preciso dizer o que quero, penso e sinto. Preciso cortar estas amarras que me prendem e sufocam.
Mas não devo.
Permaneço em silêncio. Que esforço! Que tarefa injusta de silenciar meus pensamentos que gritam de dor por não serem ouvidos.
Guardo-os. Recalco-os. Mas cá permanecem (vivos).

RN

02 março, 2011


«Only passions, great passions, can elevate the soul to great things.»
[Denis Diderot]

Sonho inquietante...

Olhas-me serenamente. Sinto-me refém do teu olhar.
Procuro nos teus olhos um sinal. Busco algo que não sei. Transmites-me confiança e medo em simultâneo. A coragem invade-me. Penetro esta magia e descubro um mundo controverso que me assombra de pavor.
Puxas-me pela mão, tocas-me, invades minha alma com teu olhar, abraças-me e dizes-me para fugir. Fugir para longe, onde não me possas ver nem contemplar. O meu coração palpita a um ritmo tão veloz, que me grita «Não desistas!».
Coração de fogo que é o meu: arde, dói, magoa-me. Grita por ti, corre numa busca impossível. Pedra não derrete, não amolece. Não se deixa atingir. Não entende. Apenas se mantém estática e, quando lançada, magoa. Fere.
Desde o início perdida, esta luta devastou-me.
Que crateras profundas!
Que sonho perturbador!

RN

28 fevereiro, 2011

Sê feliz

Vive o presente! Não temas!
Tudo é sempre tão efémero, frágil, injusto. Dá tu a importância ao que para ti vale a pena, mesmo que por momentos uma nuvem negra assombre tua coragem.
Nada é tão linear... nada é (tão) impossível para simplesmente se desistir.
Luta! Vive! Não percas o que a vida te dá. O que o Presente te oferece.
Vive com o coração!
Luta! Sê Feliz nem que seja por breves momentos.

RN
Guardo bem dentro do meu peito algo que me transcende. É tão grande, tão forte e tão intenso que sufoca minha alma, meu Ser.

RN

19 fevereiro, 2011

Silêncio nos meus pensamentos

Um dia vou incendiar este mundo com palavras que me sufocam. Vou poluir este ar com palavras que, presas neste corpo, se limitam a vaguear por esta mente que tudo quer e nada pode.
Há tanto ruído que fico numa ânsia tremenda diante desta negra visão. Procuro desesperadamente o silêncio que me acalme a alma. Mas sem rasto… tudo se perde numa vida ruidosa, perturbada por vontades e decisões ora certas ora erradas.
Que amarras cruéis me prendem a este mundo que me depreda, que me desconsola, que me desgasta.
Vivo, luto apaixonadamente por um livro que comecei, mas que um dia vai terminar sem qualquer ponto ou vírgula. Minha mão irá parar, sem força e aí será tarde para pensar ou tentar…

Tento silenciar meus pensamentos.

RN

11 fevereiro, 2011

Palavra pronunciada

Palavra. Meras palavras que incentivam o sorriso, o Amor, a felicidade, o desejo.
Palavra. Meras palavras que causam dor, sofrimento, amargura, tristeza.
Palavra dita, pensada ou espontânea. Dona de tantas acções e reacções. Sentimentos e pensamentos.
Controlas relações. Provocas sentimentos. Incendeias a alma.
Quiçá não fosses pronunciada sem intenção!
Uma vez dita, uma vez ouvida…
Tantos erros por ti cometidos. Tanta dor por ti causada. Tanto desejo por ti provocado.
Palavra… Que força poderosa!


RN

O relógio da vida

Tic Tac… Tic Tac…

O tempo não pára e o relógio segue… Tic Tac.
Este mesmo som se repete e repete vezes sem conta. E o tempo passa. Não pára!
A vida é assim. O risco é enorme. Olhar para trás, analisar o passado, viver o presente e querer mudá-lo para alcançar o futuro sonhado.
Que injustiça ter força e não ser capaz. Que angústia insuportável. O medo, a dor, o querer e não conseguir devoram meu peito.
Tic Tac… Tic Tac…
Que perda de tempo não ser feliz do jeito que desejo.
Raras são as vezes que sinto tudo tão perto. Mas a minha sede, o meu querer, o meu sentir são tão fortes que me fazem Acreditar.
Espero. Vejo o tempo a passar. E nada muda: tão perto e tão longe se insiste no comodismo e se desperdiça o «Viver».
Tic Tac… Continuo a sentir.
Espero. O ritmo mantém-se.
Tic Tac.

RN

Tantos momentos...
Lágrimas e sorrisos. Raiva e calma. Tranquilidade e adrenalina.
Momentos serenos e intensos. Momentos a sós e partilhados.
A qualquer hora, em qualquer sítio.
A música me embala, me encanta, me apaixona e me conquista.

RN

Tão Só

Por vezes quanto mais perto,
Mais distantes nos sentimos.
Nosso lar parece um deserto,
Nem tão pouco nos sorrimos.

Estamos de tal maneira habituados
A viver a mesma situação,
Que passamos o tempo calados
A cantar a mesma canção.

É no silêncio que encontro
O meu querido aliado.
Atrás dele minha solidão escondo,
Meu coração se sente amparado.

Mas quando muito só eu me sinto,
Pego numa caneta e num papel.
Assim a solidão eu finto,
E à imaginação tento ser fiel!

[Dora Coimbra]
«(...) She maybe the beauty or the beast (...)
May turn each day into a
Heaven or a hell(...)
She who always seems so happy in a crowd,
Whose eyes can be so private and so proud,
No one's allowed to see them
When they cry(...)»

[She, Elvis Costello]
« - Tudo o que tenho é o presente, por sinal muito curto.
- É tudo o que toda a gente tem, e é sempre muito curto.»

[Verónika decide morrer, Paulo Coelho]

Vida minha...

Tão perto e tão longe...
Quis falar-te, mas não tive coragem. O medo travou minha vontade de te tocar, de te dizer o quanto te quero e o quanto te sinto.
Vida injusta, que mal te fiz?
Sempre te agarrei com minhas mãos, meu coração, minha alma...
Sempre lutei por ti, Vida!
Vida minha que mais te posso dar para recuperar o tanto que já perdi?
Quero meu coração!
Quero minha alma!
Quero meu equilíbrio de Vida!

RN

Estrangeira

Vivo neste mundo e que estrangeira ainda me sinto.
Lavo minha cara e tudo se mantém alheio. Não minto!
Tudo me parece tão efémero, tão frágil... Falso diria.
Quiçá não pertença a este lugar!
Quiçá tenha eu o papel errado ou as falas trocadas!
Talvez...
Mas meus pensamentos... esses são profundamente meus.

RN

Pensamento do dia

«Ser feliz não é ter uma vida perfeita. Mas usar as lágrimas para irrigar a tolerância. Usar as perdas para refinar a paciência. Usar as falhas para esculpir a serenidade. Usar a dor para lapidar o prazer. Usar os obstáculos para abrir as janelas da inteligência.»

[Augusto Cury]

05 fevereiro, 2011

Imaginação minha


Imaginação minha...
Imagino uma escada. Oh, tantos degraus!
O pé esquerdo, corajoso como ele só, avança, pisando o primeiro degrau. Calafrio e satisfação em simultâneo. O direito avança receoso. Tanto receio! É o início de uma nova etapa.
Vou subindo. O medo persiste, mas a vontade de vencê-lo penetra meu corpo.
O pé esquerdo, o eterno persuasivo sentimental, influencia de tal forma o racionalmente ponderado, que quando desperto,estou bem no alto. Degraus mil tem esta escada!
O cenário escuro ameaça meu corpo. Medo, receio, adrenalina, paixão pela vida... Que turbilhão de sentimentos! Este turbilhão envolve-me e guia-me por mais uns degraus.
Já bem no topo, mas sendo impossível ainda alcançar o cume, olho para trás. O coração pára de angústia, temor... O medo assola-me! Sento-me e pensamentos mil invadem meu Ser. Destroem o meu equilíbrio! Lágrimas cobrem meu rosto!
Perdida nesta insanidade, adormeço...
Finalmente acordo! Dores no corpo, dores na alma... Estou no chão novamente.
É o fim da etapa.

RN
«E o tempo é o grande mestre da vida. Ensina-nos a matar a dor, ainda que nunca a esqueçamos. Apenas isso.»

[CC]

Tive um sonho...

Hoje tive um sonho.
Sonhei que me envolvias em teus braços e levavas-me para longe.
Longe de tudo, longe de todos. Fomos felizes.
Fomos tão felizes... até ao momento... em que acordei!

RN

Amor de chuva

«Porque senti sempre dentro de mim, uma espécie de rio imenso, límpido, alvo e puro, a receber gotas de água, da chuva miudinha que caiu em toda a minha existência. Amparando-me até. Um amor verdadeiro que nos leva até ao fim do mundo da nossa imaginação sempre tão fértil. Rebuscamos momentos nunca esquecidos. Jamais ignorados. Eu tive esses momentos.»

[CC]

31 janeiro, 2011

«Olhos não vêem, coração não sente» .... Tretas!!!!

Reflexão da alma

Reflexão profunda para onde me levas? Para onde me guias?

Idas e vindas, palavras trocadas, emoções partilhadas num momento em que tudo tenho e em que noutro tudo me foge (em vão). Desejos incessantes, sonhos escondidos levam-me para longe. Longe do que é meu, longe do que me pertence.
Um dia tentei encurtar-te!
Aproximar-me, ficar, construir.
De nada isto vale, quando meu maior desejo é partir.
Tudo me apaixona, tudo me completa ao mesmo tempo que nada me satisfaz. Serei exigente?
Quero ir, mas levar-te comigo! Levar o que me pertence na aventura que é a minha vida. Aqui, ali ou no outro lado do mundo. Sinto que pertenço onde não estou. Sinto-me tão livre e tão presa. Pergunto-me se o preço desta liberdade que tanto anseio é justo? Minha gente, minhas raízes, minha cultura, minhas relações, minha estabilidade… tudo se distancia e se estreita. Tudo precisa de alimento, o qual não pode ser comprado ou roubado, mas dado todos os dias, continuamente.
Sinto que muito já ganhei, mas que tanto também já perdi.
Valeu a pena? Diria que sim.
Continuará a valer? Não sei.

RN

30 janeiro, 2011

Apenas palavras...

Posso chamar-te luz ou guia! Inspiração ou respiração! Paixão ou Amor! Verdade ou Vida!
Mil e uma palavras podem estar no lugar do que sinto ou (não) quero, mas o importante é que seja qual for a minha escolha, vai sempre dar-me sorrisos e tristezas.
Afinal não existe perfeição!

RN

Pensamentos...

«(...) Mesmo quando sinto uma imensa preguiça, ou saudade de casa, depois de dar o primeiro passo, sou arrebatado pelo sentido da viagem (...) dou-me conta de que jamais poderei chegar aonde quero se ficar sempre no mesmo sítio. Só consigo conversar com a minha alma quando estamos nos desertos, nas cidades, nas montanhas, nas estradas.»

[O Aleph, Paulo Coelho]


Como me revejo nestas palavras...

Pensamento do dia

«Descobri que a leitura é uma forma de sonhar. Se tenho de sonhar, porque não sonhar os meus próprios sonhos?»

[Fernando Pessoa]

24 janeiro, 2011

Pensamentos...

Perco-me no tempo.
Perco-me em pensamentos. Soltos, perdidos, mas que a mim pertencem.
A tal vontade surge novamente. Escrevo.Pinto esta folha como se fosse uma tela. Preencho este branco com tinta permanente. Tão permanente como este sentimento que não me abandona. Persiste!
Sentimentos fingidos refugiam o que de mais puro sufoca meu coração. Vai e volta, mas exige que assim viva. Age como se fosse a luz ou o ar que preciso para respirar.
Tão profundo, tão belo! Entro novamente nesta esfera, neste mundo colorido que tanto me apaixona e me faz sorrir.
O medo controla a minha (in)segurança quando por estas ruas escuras caminho.
Agarra minha mão! Leva-me... e dá-me o que a ti te dou.

RN

21 janeiro, 2011

«Life is a song, love is music»
[A.D.]

Inspiração minha...

Inspiração onde estás tu? Sinto a vontade, a necessidade de te ter outra vez. Quero-te!
Preciso de sentir de novo.
Ver o mundo da tal forma que só tu me permites: colorido, sem guerras, dor ou tristeza. Sentir a tal brisa que arrepia meu corpo. Tocar o impossível com as minhas (pequenas) mãos. Contigo, para mim, tudo é possível!
Sinto-me capaz de dizer que te quero pertinho de mim como uma luz que me guia. Só tu me podes guiar e dar-me o que preciso para respirar: sentir!
Preciso sentir-te, inspiração!
Preciso que me cales estas lágrimas silenciosas, que parecem gritos de uma multidão eufórica. Tudo parece tão contraditório, assim como as tuas idas e vindas que me fazem perder o equilíbrio de ser. Tens o dom de confundir minha alma. Fico sem saber se te devo sentir ou se é mais certo apenas te sorrir.
Perco-me em pensamentos soltos e confusos, mas que te procuram erradamente, Inspiração Minha!

RN

Noite fingida

Tremenda noite que chegaste, abraçaste-me, envolveste-me e abandonaste-me.
Passado cruel marcado por dores profundas e lágrimas constantes. Amargura e dor foi o que deixaste… soubeste iludir, fingir, mentir… e tão bem!
Entreguei-me a ti, noite, e tu desprezaste o que te dei, mostrando não te importares. Levaste tudo a que a mim pertencia. Pior! Levaste o meu sorriso, o meu amor, a minha força… E deixaste esta dor, esta amargura e tristeza que um dia a ti te abraçarão.
Não brinques com o que não te pertence, não recuses o que te oferecem sem qualquer interesse negro. Isso é o que de mais puro podes ter.
Noite, não finjas ser quem não és.

RN

04 janeiro, 2011

A reflectir...

«A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca e que, esquivando-nos do sofrimento, perdemos também a felicidade.»

[Carlos Drummond de Andrade]

Imperfeição...

Sinto-me um vulcão adormecido: cheio de sentimentos abafados, palavras retidas e gritos perturbantes. Atitudes correctas, outras nem tanto. Não sou perfeita, nem o tento ser, apenas tento agir como a humana que sou, o que por vezes implica actos menos correctos ou pensados.

RN

«Viver sem problemas é impossível. O sofrimento nos constrói ou nos destrói»
[Augusto Cury]

Há dias assim...

Há dias que não são dias.
Há dias que me apetece ser nada, fugir sem destino à procura de algo que por aqui não encontro. Há dias que as lágrimas são mais fortes que a vontade de sorrir. Há dias tão complicados, tão longos que o sofrimento implícito vence a vontade de querer ser feliz.
As lágrimas que percorrem meu rosto marcam a tristeza retida no meu peito. Há coisas inexplicáveis, coisas sem razão que dificultam em dobro o dia-a-dia. Enorme é a luta, inúmeras são as tentativas para alcançar, conseguir, vencer e viver. Mas tudo muda, tudo se aproxima e se distancia. Coisas que podemos melhorar muitas vezes são por nós desperdiçadas pelo medo de tentar, pelo medo de querer, pelo medo de viver. Outras, que a nós não nos cabe, são tão desejadas, sonhadas e ambicionadas… mas infelizmente em vão, ou não fosse impossível controlar o impensável.

Feliz de tentar, cansada de não conseguir!

RN

03 janeiro, 2011

«Eu gosto de viver. Já me senti ferozmente, desesperadamente, agudamente infeliz, dilacerada pelo sofrimento, mas através de tudo ainda sei, com absoluta certeza, que estar viva é sensacional.»

[Agatha Christie]